MÃE SE JOGA NA FRENTE DE CARRO PARA EVITAR ATROPELAMENTO DE CRIANÇA NO RN

Caso aconteceu na noite de terça-feira (17) em Mossoró, no Oeste potiguar. Criança não se feriu.

MÃE SE JOGA NA FRENTE DE CARRO PARA EVITAR ATROPELAMENTO DE CRIANÇA NO RN

A ação rápida de uma mãe salvou o filho de 3 anos de um atropelamento em Mossoró, na região Oeste potiguar. O caso aconteceu na noite de terça-feira (18) no bairro Barrocas e foi registrado por câmeras de segurança. Veja o vídeo acima.

Ao perceber que o menino correu da calçada em direção à rua, enquando um carro passava pelo local, a mãe dele correu atrás, derrubou a criança e caiu na frente do veículo. O motorista parou a centímetros dos dois.

"Foi por pouco. Quase matava. Se eu não tivesse me levantado e corrido, tinha matado, porque o homem (motorista) não viu ele, por ele ser pequeno. Ele parou porque passei correndo", disse Sandy Eduarda Ribeiro da Luz, de 20 anos.

Nas imagens, é possível ver três crianças maiores jogando bola no meio da Rua Riachuelo. Um carro que passava pela região reduziu a velocidade, mas seguiu pela via, passando ao lado dos meninos.

É nesse momento que o pequeno Allef Gabriel sai da calçada, corre para o meio da rua e quase é atingido pelo veículo. Eduarda corre e se joga para tentar tirar a criança da frente do carro.

Segundo a mãe, o filho estava brincando na rua com as outras crianças, tinha subido para a calçada onde ela estava sentada e voltou para a via correndo, sem aviso, na hora em que o veículo passava.



"Ele saiu correndo mesmo na hora que o carro vinha. Peguei e sai correndo para pegar ele. Empurrei ele para frente e cai de cara no chão", relatou a mãe.

Ela ficou com alguns arranhões na perna. Já a criança não se feriu.

"Ela viu que o carro não ia parar e correu para ele. Se não fosse isso, tinha batido", disse a vizinha, Maria das Graças Ferreira da Silva, que presenciou a cena.

Já a avó de Allef considerou o caso um livramento divino. "Se o motorista não tivesse freado na hora que ela se jogou, tinha matado os dois. Foi um livramento muito grande que Deus deu", diz a mãe de Eduarda, Helena Ribeiro.